Assinatura RSS

Arquivo da categoria: arquitetura

Olhar

Publicado em

Meu olhar sobre o Rio de Janeiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As fotos de Saquarema e na Ponte Rio-Niteróis são do Carnaval.

Na Capital Carioca, quando eu faço esse caminho da minha casa em direção ao Centro, eu gosto de olhar a paisagem e pensar como as ruas, avenidas e estradas parecem ser projetadas de forma que você trafegue admirando  objetivamente certas cenas, como algumas dessas que eu cliquei, pois elas ficam exatamente na sua frente, monstruosamente tomando toda a sua atenção.

A minha atenção é algo que preciso controlar quando estou dirigindo por essas vias, pois a prioridade é o trânsito, né. Neste dia eu estava de carona e aproveitei para fazer as fotos. O clima no dia não estava 100% e tinha uma certa massa seca de nuvem, mas consegui capturar o essencial.

A fotógrafa é amadora assim como a câmera, mas tem boa vontade. =)

fotos: juliana nina . março/abril 2011

Anúncios

“Vendemos cadeiras”

Publicado em

Ou melhor, ele vende: Stefano Giovannoni, arquiteto e designer italiano dono de uma mente muito criativa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dentre móveis e utilitários criados, destaque para suas cadeiras.

fotos: reprodução

Tecnologia pra lá de alta!

Publicado em

Projeto do trem bala na China. Uma inovação da nova locomotiva chinesa: descer do trem sem que ele precise parar!

Não há tempo a ser desperdiçado. O trem bala está se movendo o tempo todo. Se existem 30 estações entre Pequim e Guangzhou, parar e acelerar de novo em cada estação vai fazer perder energia e tempo. Uma parada de 5 minutos por estação (passageiros idosos são naturalmente mais lentos) resultará em uma perda total de 5 min x 30 estações, ou 2,5 horas de tempo de viagem do comboio.

Os chineses são inovadores o suficiente para chegar a um conceito de trem sem paradas. Os passageiros embarcam, na estação, em uma cabine conectora antes que o trem chegue. Quando o trem chega, ele não vai precisa parar. Ele apenas diminui a velocidade para pegar a cabine conectora que vai se acoplar ao teto do trem.

Depois dessa acoplagem, os passageiros deixam a cabine conectora e descem para o interior do trem. Após o embarque, a cabine será movida para a traseira do trem, para ser ocupada pelos passageiros que querem descer na próxima estação. Quando o trem chega na estação seguinte, ele deixará a cabine conectora na estação. Os passageiros assim desembarcam na estação sem a necessidade do trem parar. Ao mesmo tempo, o trem vai pegar os passageiros de uma outra cabine conectora, com novos passageiros.

Assim, o trem terá sempre uma cabine conectora na parte traseira do teto (para desembarque) e uma cabine conectora na parte dianteira do teto (para embarque) em cada estação.

Isso não é “pensar fora da caixa”? Veja o vídeo ilustrativo.

Simples né? hehehe

Enquanto sonhamos, nos nossos sonhos mais ingênuos,  um dia andarmos de Trem Bala no Brasil; esperamos o dia em que finalmente os VLT’s serão implantados – teoricamente prometidos para a Copa de 2014-; ou a ressurreição do famoso Trem de Aço Rio-São Paulo, os chineses já estão, simplesmente, pensando numa forma de fazer o trem bala não parar para ganhar mais tempo.

É, a alta tecnologia nos espera bem lá na frente.

vídeo: reprodução

Arquitetura orgânica

Publicado em

Passeando pela web procurando imagens que possam compor a futura imagem do topo do blog (será que sai?), olha o que encontrei:

Que delicinha! Ao menos este exemplar me lembra doce ou bolo de festa de criança. Bom, quando eu era criança tive um aniversário, de tema esquecido, que tinham uns cogumelos na decoração. Aaahh! Talvez porque lembrem a tal laje cogumelo, que não tem nada a ver com isso aqui, mas que faz a forma lembrar o nome – outro dia falaremos sobre ela.

Subjugada sob os preceitos da Arquitetura Orgânica, parece tirada de um filme de contos. A casa de concha gigante, colorida, aconchegante,  no meio da floresta, debaixo da árvore das fadas, vizinha da casinha dos duendes.  E que parece sempre guardar surpresas e mistérios incríveis. A primeira impressão que se tem.

E como é isso?

Leia o resto deste post